REVIEW: Supermodel, o fantástico novo álbum do Foster the People

por Henrique Félix em 18 de março de 2014

Nenhum Comentário

Depois da longa espera pelo segundo disco de uma das bandas indie mais ouvidas dos últimos anos, Foster The People lançou hoje o álbum Supermodel. Quem acompanha as novidades do meio sabe que a banda estava em estúdio há quase dois anos.

Quase três anos depois do lançamento de seu primeiro disco, Torches, Foster The People volta às paradas do indie rock com Supermodel, que estava sendo gravado desde o começo de 2012. Com inspirações no “lado ruim” do capitalismo e algumas críticas sociais, Mark Foster e Paul Epworth, viajaram até o Marrocos a fim de obter inspirações para as músicas. O resultado: O melhor do indie em 11 faixas e meia.

As duas primeiras faixas, “Are You What You Want to Be” e “Ask Yourself” tem um som motivante e dançante, mas com letras completamente reflexivas que falam sobre o “eu” e sobre “ambições”. “Coming of Age”, a terceira faixa, já conhecida da maioria por ter sido o primeiro single, lembra um pouco as musicas do álbum anterior pela sonoridade.

Nevermind é uma espécie de homenagem ao Nirvana. Tem uma entrada com o violão que lembram um pouco Kurt Cobain. Ela fala sobre encontrar a paz interior. Uma música com sonoridade suave que também me faz lembrar um pouco de Oasis tanto pelo ritmo quanto pela bateria. Pseudologia Fantastica é a quinta faixa e o segundo single do álbum. Fala sobre enfrentar os problemas e recomeçar. Também lembra a sonoridade de muitas músicas de Torches.

The Angelic Welcome of Mr. Jones é uma introdução de 30 segundos à faixa 7, Best Friend, que foi o terceiro e ultimo single de Supermodel. Segundo alguns, essa era uma tentativa de Foster enganar a todos mostrando uma espécie de Torches II, já que os três singles mostrados eram muito parecidos com as músicas do álbum anterior. E deu certo. Muita gente achou que era realmente disso que se tratava. A música fala sobre os vícios dos seus amigos.

Na faixa 8, “A Beginner’s Guide to Destroying the Moon” ou “Guia de Como Destruir a Lua Para Iniciantes” tem o som diferente dos singles também. Uma mistura de eletrônica com rock e um piano bem no meio da música. A letra está cheia de frases de efeito. Goats in Trees lembra novamente Nirvana. Na faixa 9, Foster faz falsetes de graves, fazendo parecer que a música na verdade se trata de um dueto.

The Truth tem um som diferente, me lembra até um pouco de Florence and The Machine. A música fala, entre outras coisas, sobre a esperança das coisas acontecerem. Fire Escape é a ultima faixa do álbum. Uma música com cara acústica, só voz, violão e alguns acompanhamentos, como um xilofone. Nada de sintetizadores por aqui. Uma música mais madura.

Foster

Pra quem comprar Supermodel pelo iTunes, terá uma bela surpresa com a décima segunda faixa exclusiva chamada Tabloid Super Junkie, bem a cara da banda e com um solo a la música árabe. Fala sobre o que o álbum inteiro tem falado: Capitalismo e os porquês da vida.

Em geral, Supermodel tem tudo para ser o seu álbum preferido em 2014. São mixes de ritmos, combinado com a boa sonoridade e com os momentos geniais de Foster durante as músicas.

Supermodel está disponível na iTunes Store brasileira por USD 9.99, com as 11 faixas mais a faixa exclusiva.

Google+