A Venezuela que eu vi

por Juliana Muniz em 5 de setembro de 2013

1 Comentário

Acho que dos 15 dias que rodamos o solo venezuelano (e também o mar, rsrs), posso dizer que ao contrário de muitas pessoas, gostei da comida! Morangos grandes e suculentos, biscoito Oreo de todos os tipos. O Mc Donald’s deixa a desejar, mas o Burger King compensa! Nos Andes, recomendo o pão de alho. Com nata fica uma delícia! Na Gran Sabana, o frango assado dos índios é muito mais gostoso que o famoso galeto gaúcho… desculpa, gente. Claro que nem tudo agrada, como a tal da arepa. Não cheguei a provar porque os experientes que viajaram comigo já foram me prevenindo, “Não coma arepa! Tem cara de pão de queijo gostoso, mas é um pão esquisito, branquelo e sem gosto”, diziam.

As paisagens também chamam atenção. Claro, que como em todo lugar, nem tudo é lindo o tempo todo. A parte inicial do país, logo ali na fronteira, é meio caótica. Feia, bagunçada. A recompensa começa quando entramos na Gran Sabana. Uma paisagem de Savana, mesmo, mas sem a fauna. Vimos o Monte Roraima de longe, visitamos algumas de muitas cachoeiras. “Chuvas localizadas” são comuns por lá. Enquanto estávamos na estrada, a 200 metros de nós tinha uma nuvem carregada despejando toda a água contida nela.

Chuva

É interessante percorrer a Venezuela e ir notando as diferentes regiões. Os Andes com aquele frio intenso e interminável que faz doer os ossos, mas compensa nas paisagens. Montanhas, neblina, nuvens na estrada (devido a altitude). Agricultores cuidando de suas plantações de batatas, morangos, arroz . O curioso é que como lá é tudo subida, eles plantam nas montanhas, mesmo. A gente via vacas e cavalos em lugares realmente muito inclinados. Lojinhas de souvenires também não faltam. Vendem aqueles tapetes peludinhos, bem propícios pra aquele clima frio. Também tem muito tapete de couro de vaca. Vendem luvas, toucas, cachecóis, jaquetas, cobertores… fica tudo bem exposto pra atrair os  turistas despreparados e desesperados de frio.

Mérida

Mas se você pretende rodar a Venezuela, aqui fica minha dica de consumista: Gaste seu dinheiro na Ilha! Me contive muito enquanto estávamos nos Andes e valeu à pena. Só na ilha de Margarita tem uns 2 shoppings bem grandes. Sem falar no centro que é cheio de lojas. Mas por quê, Juliana? Porque a Ilha de Margarita é Puerto Libre! Além das coisas serem baratas, eles tem de tudo pra vender lá. Zara, Vans, Victoria’s Secret, Doces Wonka, lojas da GAP, Aero, Tommy Hilfiger, enfim, é muita coisa! Além de tudo isso, ainda tem as praias! Pegamos uma lancha da Ilha de Margarita e fomos para a Ilha de Coche. Lá nós mergulhamos nos corais, andamos a cavalo na praia (o que não foi bem sucedido porque o cavalinho era meio preguiçoso e não queria andar). Tem muitas opções de passeio na ilha. Nado com golfinhos, mergulho com tanque de oxigênio, passeio em La Restinga. Nós, como bons brasileiros capitalistas e consumistas, trocamos a maioria dos passeios por um bom tempo no shopping.

É tanta coisa que nem cabe num texto só. Mas nós documentamos tudo isso pra vocês. Fizemos um diário de viagem e vocês podem assistir os primeiros episódios aqui. Aproveite e inscreva-se no nosso canal para assistir nossos vídeos em primeira mão, sem spoilers! rsrs.

Google+